domingo, 2 de dezembro de 2007

BLOGOSFERA SOLIDÁRIA - 3 DE DEZEMBRO

Dia Internacional do Deficiente Físico

A nossa sociedade ainda não está preparada para tratar dos limites e diferenças do outro. E os deficientes físicos são pessoas que sofrem muito com isso. Quando a sociedade não dá o mínimo de condições para que pessoas portadoras de deficiência física exerçam sua cidadania, percebemos essa falta de preparo ao lidar com pessoas diferentes.
Simples atos do dia-a-dia e aspectos fundamentais na vida de qualquer um, como andar em um ônibus, ir a um banco ou supermercado ou simplesmente andar pelas ruas se torna muito difícil quando se necessita de ajuda de terceiros. Os impedimentos na vida dos deficientes devem ser eliminados, mas não por piedade. É direito constitucional do deficiente ser incluído na sociedade. E os deficientes são pessoas produtivas, a debilidade de um membro não significa a debilidade da mente.
No Brasil, desde o dia 24 de outubro de 1989, vigora uma lei que assegura aos deficientes o exercício de seus direitos individuais e sociais, além de sua efetiva integração social. Em termos reais, isso significa que os valores básicos de igualdade e oportunidade devem ser respeitados, assim como de qualquer pessoa. Os deficientes, levando em conta suas limitações, têm direito à oferta de educação especial gratuita, atendimento domiciliar de saúde ao deficiente grave, inserção no mercado de trabalho no setor público e privado e facilidade de acesso em edificações e vias públicas.

Juscelino Tanaka
Sábado na Paulista
Tivemos uma passeata
A passeata dos deficientes físicos
Tinham muitos de cadeiras de rodas


Mas o que me chamou
Atenção é que eles dançavam,
Cantavam, e levantavam bandeira
queremos trabalhos,
Queremos oportunidades


Somos capazes temos disposição,
Faltam-nos pernas saudáveis
Não nos falta o cérebro
Se nos foi tirado um membro
Não nos tire a vida


queremos células tronco
Para quem sabe alguns de nos andar
. Quem vai nos ajudar?
Quem sabe ler o que sentimos?
Vamos lá vamos pensar?


Você sabe amar?Então
Vamos juntos lutar
Você pode ajudar.


Dora Dimolitsas

2 comentários

Anônimo disse...

Porque o que o deficiente quer é o direito à igualdade. Não o direito de ser igual, mas a possibilidade de, sendo diferente, ter acesso aos mesmos direitos. Ter respeitada sua diversidade, o conteúdo da sua competência e não a medida da sua eficiência, ter a marca do humano sobressaindo como possibilidade de sua diversidade.

baby disse...

Li, com muita alegria;
É preciso que âmbito nacional reflitam e tomem as devidas providências para tornar a sociedade mais justa, mais solidária.
Todos nós, por mais bem dotados que tenhamos nascido, temos as nossas deficiências. Portanto, precisamos respeitar as diferenças!

Postar um comentário

^